segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O Samurai (Le Samouraï, 1967)



GUILHERME W. MACHADO

Não antes de passados 9 minutos da projeção de O Samurai [1967] que há a primeira fala do filme. Até então somos apresentados – de forma absolutamente apropriada, deve-se dizer – à Jef Costello, um homem enigmático, elegante e que opera por um código pessoal rígido e claramente fora da lei. Com pouco menos de 10 minutos de imagens habilmente construídas e editadas, Jean-Pierre Melville cria e expõe um dos personagens mais emblemáticos da história do cinema, que viria a ser inspiração para muitos outros, como o Neil McCauley (Robert De Niro) em Fogo contra Fogo [1995], ou mais recentemente (e descaradamente) o motorista de Drive [2011], interpretado por Ryan Gosling.

O Samurai é tanto um intrigante estudo de personagem, tendo Jef Costello como centro absoluto da obra, quanto o renascimento triunfal do noir sob os moldes europeus. É, portanto, um filme que transborda elegância e estilo, mas que agrega também uma faceta mais existencialista e reflexiva às características já tão marcadas do noir. O interessante é como que o filme abraça essas duas propostas sem fazer com que uma prejudique a outra. Estuda-se, portanto, o personagem de Costello (imortalizado pelo jovem astro francês Alain Delon) apenas através de recursos audiovisuais, pelas suas ações, transmitidas majoritariamente através de imagens, com o mínimo possível de diálogos. A única e breve explicação – que assume uma função mais de construção poética do que informativa – é a citação inicial do bushido (código dos samurais).

Como o mestre italiano Sergio Leone deu nova vida ao western, revolucionando-o com filmes como Três Homens em Conflito [1966] e Era uma Vez no Oeste [1968]; tinha que ser o diretor francês Jean-Pierre Melville – talvez o melhor diretor de filmes policiais do cinema – o europeu que revitalizaria o noir e ampliaria seus horizontes. Seu contato com esse famoso gênero tradicionalmente americano começou mais discretamente com Bob, o Jogador [1956], mostrando-se mais claro no elegante Dois Homens em Manhattan [1959], evoluindo alguns anos depois numa obra-prima pouco conhecida: Técnica de um Delator [1962]. Seu amplo reconhecimento internacional chegou, todavia, apenas 5 anos depois com O Samurai, tido como seu principal filme – ainda que eu ache tal posto discutível dentro de sua brilhante filmografia.

Melville nos mostra uma Paris diferente, acinzentada, não glamuralizada. Todo trabalho estético do filme – encabeçado neste aspecto pela ótima direção de fotografia – busca uma imagem mais fria, quase monocromática durante o dia e muito escura nas cenas noturnas. A paleta de cores foca nos tons de cinza, que cobrem a película até mesmo no figurino do protagonista. Aqui há o maior distanciamento do noir clássico, a maior adição de Melville para o gênero: o uso da cor. O noir, em sua origem, foi marcado por uma forte influência do expressionismo alemão, tendo ficado característica a fotografia em preto e branco com bastante contraste e muito uso de sombras, diferentemente do filme de Melville que pouco contrasta o predominante tom cinzento.
O Samurai faz parte daquela seleta de filmes do final dos anos 60 que marcam o início daquilo que seria o cinema moderno (em contraponto ao cinema clássico hollywoodiano), acompanhado por títulos como Blow-Up [Michelangelo Antonioni, 1966] e Três Homens em Conflito [Sergio Leone, 1966]. Uma obra de imenso valor na história dessa arte e um exemplo a ser tomado por todos filmes policiais ou thrillers em termos de elegância e estilo estético-narrativo.


  NOTA (9.0/10):

Nenhum comentário:

Postar um comentário